Após quase um século, Santa Casa de Misericórdia de Manaus se torna proprietária do imóvel onde está sediada.
2 de fevereiro de 2015
Justiça condena Município de Manaus a restaurar o prédio histórico da Santa Casa
24 de fevereiro de 2016
Exibir tudo

Interventores da Santa Casa fazem balanço de um ano à frente da comissão

Os interventores da Santa Casa de Misericórdia de Manaus encaminharam à 8ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus, no último dia 12, um relatório das atividades do grupo neste primeiro ano sob o comando da comissão. Um dos principais pontos abordados no documento trata da desapropriação do imóvel sede da Santa Casa. De acordo com o relatório, o montante sugerido pelo processo que tramita na Procuradoria Geral do Estado (PGE) é de R$ 8.069.729,70, valor esse que já teria sido autorizado pela Secretaria de Estado da Saúde (Susam), mas sem previsão de pagamento pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz). Ainda segundo o balanço apresentado pelos interventores, o valor da dívida consolidada da instituição já atinge R$ 8.403.140,05, nele compreendido os débitos trabalhistas, tributários e com concessionários de serviços públicos. Outro ponto do relatório são os comodatos de equipamentos médico-hospitalares celebrados entre a Santa Casa e unidades de saúde do Estado, como o Hospital Maternidade Alzira Marreiros e a Fundação Adriano Jorge. A instituição firmou também comodato com a Arquidiocese de Manaus para guardar e restaurar imagens religiosas que estavam no prédio da Santa Casa e que sofriam danos pela ação do tempo e de vândalos. Por fim, a comissão tem trabalhado para que seja realizada uma reunião com o secretário da Sefaz, Afonso Lobo, com o intuito de discutir o pagamento da indenização derivada da desapropriação, a fim de que, dessa forma, seja consumado o ato de expropriação. Tiago Queiroz, interventor da instituição, afirma: “A situação de ruína do prédio tem se agravado, assim como a proliferação de usuários de entorpecentes que diuturnamente penetram no edifício para satisfazer seu vício, em que pese a guarda ali montada. Só a efetivação da desapropriação pode salvar a instituição da lama em que chafurda há mais de uma década. Por isso, ansiamos que o governador José Melo cumpra o que restou apalavrado em campanha eleitoral”. Confira o relatório de atividades da comissão interventora da Santa Casa de Misericórdia enviado à 8ª Vara Cível e de Acidentes do Trabalho de Manaus, cujo link segue abaixo destacado:

Relatório de atividades comissão